Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2016

Playlist: Equilibrio

Imagem
Olá meus anjinhos!Tudo belezinha? Nos ultimos tempos ando tentando me manter zen, em equilibrio comigo mesma. Acho que foi por isso que resolvi montar esta playlist, algumas músicas que ultimamente estão mantendo minha mente equilibrada, uma explicação do por que ainda vim aqui fazer este post para vocês.

Shimbalaiê - Maria Gadú (Acústico)
Home - Gabrielle Aplin
Ilusão - Marisa Monte ft. Julieta Venegas
Fração de Segundo - Nx Zero (Acústico)
Blecaute - Jota Quest (Acústico)
Olhos Vermelhos - Capital Inicial
Maior que As Muralhas - Fresno (Acústico)

Entrevista: Viajantes - Música

Imagem
Hey, hey honeys!! Tudo belezinha?? Sei que estou meio sumida, mas, desde que voltei está tudo meio confuso ainda kk. Meu anjinhos, hoje trouxe uma entrevista com dois garotos de Caraguatatuba  além de serem muitos simpáticos, são uns amorezinhos de pessoas, o William Chagas (16) e o Igor Vinicius (14). Como alguns de vocês devem saber eu tenho um amorzinho eterno com o Rap fiz até uma playlist há pouco tempo (clique  aqui) e logo, logo terá uma outra nova!! E .... adivinhem.... esse é o estilo musical deles  <3. Deixa eu parar de encher linguiça, (Não é prova de história!!!), Vamos lá!

May: Como a música entrou na vida de vocês?
Viajantes: Acho que a música é a nossa vida, é o que da vontade de viver e evoluir; o que há ao nosso redor.

May: Por que este foi o estilo musical que vocês mais se identificaram?
Viajantes: Porque é um meio de crítica e protesto à mudança.

May: De onde tiraram inspiração para compor?
Viajantes: Conhecimento, vivencia interna e pessoas que seguem a mesma caminh…

Quem és?

Imagem
Ela se deparou com seu reflexo no espelho, se perguntou por que estava cobrindo seu rosto com maquiagem, cobrindo detalhes, imperfeições.
Se perguntava quem ela era, haviam feito esta singela pergunta há poucas horas atrás.
Parou por um segundo e se perdeu em pensamentos, há inúmeras versões de nós, versões irreais, porém, mesmo assim versões as quais sempre nos vemos perdidos.
Tentamos nos reconhecer neste caos, que pode ser chamado de vida.
O tempo passa, e continuamos a tentar, implorando para que o tempo (ele, a qual continuamos a teimar em contar) nos espere, mas, não é bem assim.
Olhamos nosso reflexo no espelho, e continuamos, assim como a jovem moça a procurar ver aquilo que queremos encontrar, para quem sabe reconhecer quem nós somos. Mas, ainda que encontremos continuamos a travar pequenas batalhas dentro de nós para encontrarmos a versão ideal de nós.
Ela parou, olhou para o céu, viu a imensidão, há tantas visão do que nós somos, mas a única coisa que temos certeza é que t…